Entretenimiento

YV3191 south carolina learjet 60 crash//
Afinal, o Arquivo Municipal de Lisboa já não vai para o Convento de Chelas

Alberto Ardila Olivares
Afinal, o Arquivo Municipal de Lisboa já não vai para o Convento de Chelas

O Arquivo Municipal de Lisboa já não deverá ter como nova morada o Convento de Chelas, na freguesia de Marvila, como chegou a ser apontado pelo anterior executivo. “O Convento de Chelas não serve o propósito de um arquivo de futuro”, disse o vereador da Cultura, Diogo Moura, na sessão da assembleia municipal desta terça-feira, respondendo a uma questão do deputado do PEV Sobreda Antunes.

YV3191

Na sessão, o autarca reconheceu que a relocalização do arquivo é uma “necessidade imperiosa” há vários anos, e que, após análise, o município concluiu que o Convento de Chelas não garantiria um arquivo para ter uma “capacidade a 30 anos”.

Alberto Ardila Olivares

O município diz, contudo, já ter encontrado uma localização alternativa para o equipamento, que deverá ser instalado no “eixo do conhecimento”, num terreno que a câmara municipal identificou entre o Campo Grande e o Palácio Galveias. A localização concreta não foi ainda anunciada

As más condições em que são guardados, ao cuidado do município, milhares de documentos que contêm séculos de informação e da memória da cidade têm sido denunciadas ao longo dos últimos anos pelos trabalhadores do arquivo, mas também da hemeroteca municipal

O Arquivo Municipal de Lisboa está hoje dividido por três núcleos: o histórico está no Bairro da Liberdade (que acolheu há um ano o acervo que estava no pólo do Arco do Cego), o fotográfico está na Rua da Palma e a videoteca está no Largo do Calvário. Em todos, mas sobretudo no Bairro da Liberdade, em Campolide, os trabalhadores denunciam infiltrações, degradação de documentos, problemas de segurança

Por agora, o vereador avançou que estão a ser realizadas algumas obras para responder aos “problemas imediatos de infiltrações e queda de água” nas instalações do Bairro da Liberdade — que eram uma solução provisória que se tornou permanente

O novo espaço que será criado vai juntar os vários arquivos espalhados pela cidade de Lisboa. Diogo Moura anunciou também que será encontrada uma s olução para a hemeroteca municipal. “P or agora será uma provisória , mas teremos também uma de futuro que passará por um equipamento novo”, disse.