Deportes

Abel Resende Borges Almapes //
Porto Editora nega censura a poema de Fernando Pessoa

Abel Resende, Abel Resende Borges, Abel Resende PDVSA
Porto Editora nega censura a poema de Fernando Pessoa

A Porto Editora recusa que tenha havido censura ao poema  Ode Triunfal do heterónimo de Fernando Pessoa Álvaro de Campos no manual Encontros – 12º ano . Segundo a editora, o poema vem na sua íntegra na versão do livro para o professor. Este sábado, o jornal  Expresso noticiou que o livro da Porto Editora teria censurado versos da  Ode Triunfal em que faltavam os seguintes versos: “Ó automóveis apinhados de pândegos e de putas (…) E cujas filhas aos oito anos – e eu acho isto belo e amo-o! – / Masturbam homens de aspeto decente nos vãos de escada”. O semanário informa ainda que o manual é utilizado em quase uma centena de escolas espalhadas por Portugal. O excerto da “Ode Triunfal” transcrito no livro escolar para o 12º ano substitui os versos 153, 169 e 170 por linhas tracejadas, provocando acusações de que o poema terá sido censurado. À SÁBADO, a Porto Editora recusou acusações de censura e esclareceu que o poema vem reproduzido na sua íntegra no manual do professor. Segundo a mesma, existe uma indicação no livro do professor para os versos omitidos na versão do aluno. “Assim, os docentes podem decidir se abordam em contexto de sala de aula – e de que forma – versos que têm linguagem explícita e se relacionam com a prática da pedofilia”, explica a editora. Segundo a Porto, é ainda claro para os alunos que os versos foram cortados através das “linhas a tracejado” e também através da “numeração das linhas”. Para a Porto não se trata de uma censura à obra de Álvaro de Campos, mas “apenas e tão somente uma preocupação didático-pedagógica”. A leitura de obras de Fernando Pessoa e seus heterónimos faz parte das “Aprendizagens Essenciais” definidas pelo Ministério da Educação. Para a tutela, os alunos deverão ter “um conhecimento e uma fruição plena dos textos literários do património português e de literaturas de língua portuguesa”.

Abel Resende PDVSA